sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Felipão e Parreira: Para eles o hexa é obrigação

Felipão é oficializado no comando da Seleção e diz que, ao lado de Parreira, quer retomar o favoritismo da equipe
Com Parreira, Felipão deve estrear no comando da Seleção em fevereiro
 Luiz Felipe Scolari foi confirmado nesta quinta-feira como o novo técnico da Seleção Brasileira. Com a experiência de ter sido pentacampeão mundial há dez anos, ele foi contratado pela CBF para substituir Mano Menezes, demitido na semana passada, e terá a missão de comandar o Brasil em busca do hexa na Copa do Mundo de 2014. Junto com ele chega o tetracampeão Carlos Alberto Parreira, que será coordenador. Ambos foram apresentados ontem pelo presidente da CBF, José Maria Marin.
 Em sua primeira entrevista coletiva, Felipão já mandou um recado claro ao assumir o cargo. Segundo ele, o Brasil tem "obrigação" de conquistar o título do Mundial por estar jogando em casa. "É bom que fique claro: temos a obrigação, sim, de buscar o título. Hoje, não somos favoritos, mas pretendemos nos tornar favoritos. Vamos trabalhar para isso", afirmou.
Atualmente com 64 anos, Felipão evitou fazer muitas comparações com a sua primeira passagem pela Seleção. "Me sinto mais motivado, mais jovem, em condições de assumir o cargo. Acho que as dificuldades podem ser um pouco diferentes, mas são parecidas", avaliou.
Futuro
Ao falar sobre seus planos para o time, Felipão disse que irá promover uma sequência natural do trabalho feito até agora por Mano Menezes, mas que, aos poucos, vai implantando seu estilo. Ele aproveitou para defender a jovem geração do futebol brasileiro, especialmente Neymar.
Sem adiantar nomes de possíveis convocados, Felipão revelou que tentará mesclar juventude e experiência no grupo brasileiro. "A Seleção é jovem, mas tem outros jogadores experientes que podem dar sua contribuição. E fazer com que a Seleção não seja tão jovem", explicou.
A estreia de Felipão no cargo será no dia 6 de fevereiro em amistoso contra a Inglaterra, no estádio de Wembley, em Londres. "Será muito bom jogar lá", disse o treinador. Depois, o Brasil ainda deve fazer mais quatro jogos antes da Copa das Confederações em junho.

Felipão teve momentos distintos desde o penta, em 2002
 Dois amistosos já estão marcados, ambos em junho. No dia 2, o Brasil enfrenta a Inglaterra, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. No dia 9, será a vez de jogar contra a França, no Mineirão, em Belo Horizonte.
E a CBF ainda vai tentar utilizar as duas datas reservadas pela Fifa no mês de março para jogos de seleções.

Felipão pede desculpas aos bancários por ofensa
 "Se não quer pressão é melhor não jogar na Seleção, vão trabalhar no Banco do Brasil, num escritório", disse Luiz Felipe Scolari em sua apresentação como novo técnico da Seleção Brasileira, ontem, referindo-se à importância de vencer a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.
A frase não repercutiu bem. Poucos minutos depois, o próprio banco e a associação que representa seus 116 mil funcionários classificaram a declaração do treinador como "infeliz" e "preconceituosa".
Desculpas
 Horas depois da entrevista coletiva dada na cidade do Rio de Janeiro, ainda na tarde de ontem, o Banco do Brasil divulgou nota dizendo que o técnico brasileiro entrou em contato com o presidente Aldemir Bendine para pedir desculpas.
No contato, diz a nota, Luiz Felipe Scolari lembrou que é cliente do Banco do Brasil há mais de 30 anos e afirmou que não teve a intenção de ofender os funcionários da empresa.
"Eu estou lá é para pedir a colaboração do povo brasileiro à Seleção e não pretendia ofender o pessoal do Banco do Brasil. Foi apenas uma má colocação", disse o técnico. Para Bendine, o episódio está superado.
"Você (Scolari) vai ter aqui uma família de 116 mil pessoas que estará torcendo pelo seu trabalho, que você seja muito feliz nessa nova empreitada e que traga de volta aquela alegria que você nos deu em 2002", afirmou o presidente do banco na nota.
Blatter parabeniza CBF pelo anúncio 
Para o presidente da Fifa, a Seleção Brasileira não poderia ficar sem representante no sorteio da Copa das Confederações amanhã
O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, acertou ao anunciar o novo técnico da Seleção Brasileira antes do sorteio dos grupos da Copa das Confederações, que será realizado neste sábado.
"A Seleção Brasileira não pode ser uma terra de ninguém. Não podemos ter um vácuo. Apoio totalmente a decisão (da CBF) e fico feliz que tenha sido rápida", disse o presidente da entidade máxima do futebol mundial na manhã de ontem, em conversa com alguns jornalistas brasileiros em São Paulo.
Sorteio
 A capital paulista receberá amanhã o sorteio dos grupos do evento que será disputado em 2013. Para Blatter, é fundamental que o técnico brasileiro participe de encontro dos treinadores, que ocorrerá antes do evento.
"A cadeira do técnico brasileiro, país anfitrião, não pode estar vazia nesse evento tão importante. Serão feitas perguntas, e o treinador tem que estar ali para responder", explicou Blatter.
Em entrevista ao jornal "Folha de S.Paulo", José Maria Marin disse que a antecipação na escolha do substituto de Mano Menezes foi feita o quanto antes depois de uma conversa com Blatter e o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke. O presidente da entidade, porém, não admitiu a interferência.
Na semana passada, Marin afirmara que o nome seria conhecido só em janeiro. Depois, mudou a data para terça-feira que vem, 4, e, por último, aceitou fazer o anúncio ontem.
Se Marin não concordasse em oficializar Felipão nesta semana, seria o ex-diretor de seleções Andres Sanchéz, que pediu demissão anteontem, o representante brasileiro nos encontros.

Nenhum comentário:

QUER NOS MANDAR UM E-MAIL?


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


TRASLATE

Flag Counter...

free counters

TWITTER

Sigua nós no Twitter