terça-feira, 29 de abril de 2014

Ministros criticam fala de Lula sobre mensalão

Já o procurador-geral da República, Rodrigo Janot (foto), disse que o político tem o direito de criticar, mas ressaltou que decisão está encerrada 


A avaliação feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), de que o julgamento do mensalão teve "80% de decisão política" é um "troço de doido", segundo o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello.
"Não sei como ele tarifou, como fez essa medição. Qual aparelho permite isso? É um troço de doido", disse.
As críticas de Lula ao julgamento do mensalão foram feitas pelo petista à rede de TV portuguesa RTP. O ex-presidente alegou que o mensalão não existiu e disse achar que um dia "essa história vai ser recontada". Lula disse que o julgamento teve "80% de decisão política e 20% de decisão jurídica".
Para Marco Aurélio, o ex-presidente está exercendo o seu "sagrado direito de espernear". Ele espera, porém, que a tese defendida por Lula não ganhe ressonância na sociedade. "Só espero que esse distanciamento da realidade não se torne admissível pela sociedade. Na dosimetria (tamanho das penas) pode até se discutir alguma coisa, agora a culpabilidade não. A culpa foi demonstrada pelo Estado acusador", disse.
O ministro ainda rechaçou outro ponto criticado por Lula. Segundo o ex-presidente, o julgamento foi "um massacre que visava destruir o PT".
"Somos apartidários, não somos a favor ou contra qualquer partido", destacou Mello. Ele lembrou que, no final da primeira fase do mensalão a composição do STF era majoritariamente formada por ministros indicados por Lula. Por isso, em sua avaliação, as críticas do ex-presidente não fecham.
O presidente do STF, Joaquim Barbosa, também repudiou as críticas de Lula e lamentou que ele tenha escolhido um órgão da imprensa estrangeira para questionar o Supremo. "A desqualificação do Supremo Tribunal Federal, pilar essencial da democracia brasileira, é um fato grave que merece o mais veemente repúdio. Essa iniciativa emite um sinal de desesperança para o cidadão comum, já indignado com a corrupção e a impunidade, e acuado pela violência. Os cidadãos brasileiros clamam por justiça", afirmou Barbosa.
Decisão encerrada
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse ontem que Lula tem o direito de criticar a condenação de petistas. Mas ressaltou que a "ação penal está encerrada". "A ação penal 470, que tramitou perante a corte mais alta do país, está encerrada, com o julgamento claro, objetivo, transparente, respeitado o contraditório e o amplo direito de defesa", declarou Janot.
"Nós vivemos num país democrático. O direito de manifestação deve ser assegurado. Todo mundo tem direito de criticar, sendo político ou não", disse o procurador-geral.

Nenhum comentário:

QUER NOS MANDAR UM E-MAIL?


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


TRASLATE

Flag Counter...

free counters

TWITTER

Sigua nós no Twitter