quarta-feira, 28 de março de 2012

Bafômetro: Recusa ao teste é livre de punição

A resolução do STJ esvazia a Lei Seca porque o motorista está desobrigado a produzir provas contra si. Só o STF pode mudar a decisão.
Situação que se notabilizou nas blitze da Lei Seca, teste do bafômetro deverá ser cada vez mais raro
 O motorista brasileiro parado em blitz da Lei Seca e que se recusar a se submeter ao teste do bafômetro ou o exame de sangue está livre de ser acusado e punido pelo crime de dirigir embriagado, mesmo que haja sinais evidentes de embriaguez. Por decisão da 3ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, só é possível processar criminalmente o motorista se houver comprovação de que ele dirigia tendo concentração de álcool no sangue superior a 0,6 gramas por litro.
 E isso, conforme parte dos ministros, só poderia ser confirmado com os testes previstos na lei: bafômetro ou exame de sangue. A decisão esvazia a Lei Seca porque o motorista está desobrigado a produzir provas contra si e pode recusar a fazer os exames. A resolução do STJ deverá ser adotada por todos os tribunais do País, já que o recurso julgado foi escolhido pelos ministros para pacificar a matéria e evitar decisões contraditórias pelos tribunais.
Somente o Supremo Tribunal Federal (STF), quando julgar o assunto, poderá alterar esse entendimento. Os poucos processos julgados no STF, até o momento, no entanto, confirmam a necessidade de exame de sangue ou teste do bafômetro para comprovar a embriaguez do motorista. Em maio, uma audiência pública no STF discutirá a Lei Seca. Depois, o assunto vai a plenário.
No julgamento de ontem, quatro dos nove ministros da Seção julgavam ser possível identificar a embriaguez do motorista e processá-lo criminalmente por meio de outros exames clínicos ou por intermédio de outras provas, como depoimentos de testemunhas. Outros quatro ministros julgaram que somente exames precisos permitiriam a abertura de processo penal contra o motorista embriagado. Esses ministros argumentam que a lei estipulou um limite preciso de álcool no sangue para configurar a prática de crime.
Portanto, para processar o motorista criminalmente, seria necessário saber se o limite determinado pela lei foi ou não superado. A ministra Laurita Vaz não se manifestou expressamente sobre a necessidade do exame de sangue ou do teste do bafômetro. Na opinião da ministra, seria possível decidir o caso que estava sob julgamento sem entrar nessa discussão.
No caso que estava em julgamento, um motorista foi parado numa blitz em Brasília antes de sancionada a Lei Seca. Exames clínicos comprovaram que ele havia ingerido bebida alcoólica e foi aberta ação penal contra ele. Depois que a Lei Seca entrou em vigor, estabelecendo o limite de seis decigramas de álcool por litro de sangue, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal trancou a ação penal. (das agências de notícias)
 E agora
ENTENDA A NOTÍCIA
Com a decisão, a tendência é que aumente o volume de condutores de veículos que se recusarão a fazer o teste do bafômetro - o que poderá aumentar o número de vítimas no trânsito. É aguardar os efeitos práticos da medida.
 Números
38 mil
É o total de vítimas de trânsito/ano no Brasil

0,6 mg
É a quantidade de álcool no sangue que define embriaguez
 Serviço
 Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE)
Av. Godofredo Maciel, 2900, Maraponga - Fortaleza-CE
Fone: 0800 275 6768
Na Internet: detran.ce.gov.br

Nenhum comentário:

QUER NOS MANDAR UM E-MAIL?


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:


TRASLATE

Flag Counter...

free counters

TWITTER

Sigua nós no Twitter